Tardes de Campo reúnem produtores no Centro-Serra

Reflorestamento (implantação e manejo florestal), tratamento de moirões, serraria móvel e Cadastramento Ambiental Rural (CAR). Estes foram os temas de três tardes de campo realizadas nos dia 15, 16 e 17 de julho, na região Centro-Serra do Rio Grande do Sul. O primeiro encontro ocorreu na propriedade de Adilson Hermes, na localidade de Bela Vista, no município de Segredo. No dia 16, Jurandir Torcatto, da Linha São João, município de Ibarama, recebeu os produtores e, no dia 17, o encontro foi na propriedade de Armenio Vicente Faller, da localidade de Sanga Funda, Sobradinho.

Segundo o gerente de Produção Agroflorestal da Afubra, engenheiro florestal Juarez Pedroso Filho, os técnicos da entidade passaram informações desde a implantação da floresta, adubação, tratos culturais até a colheita. “O investimento em silvicultura deve ser bem planejado pelo produtor rural. Nos encontros, inclusive, apresentamos técnicas para o tratamento dos moirões pelo método de substituição se seiva, que é simples e totalmente compatível com a realidade da agricultura familiar, pela facilidade de aplicação”, explica Juarez.

Outro momento do encontro foi a demonstração, por parte de representantes comerciais da fabricante Wood Mizer, de um modelo de serraria móvel para o beneficiamento da matéria prima florestal dentro das propriedades. “Essa tecnologia pode ser muito útil aos agricultores, pois proporciona fazer o desdobro da sua madeira, tanto para uso na propriedade como para comercialização”, garante o engenheiro florestal, ao explicar que é uma forma de agregar valor à produção.

O Cadastro Ambiental Rural (CAR) foi abordado pelo biólogo Pablo Pereira, do Departamento de Florestas e Áreas Protegidas, da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema-Defap). Pereira explicou a obrigatoriedade do cadastro de acordo com a legislação. “De forma bastante prática o biólogo disse que o objetivo do CAR é identificar e integrar todas as informações ambientais das propriedades rurais, com prazo até o dia 6 de maio de 2015, prorrogável até 2016”, finaliza Juarez.

 

 

Luciana Jost Radtke
Departamento de Comunicação Afubra


Assembleia da Afubra: pequena majoração atinge contribuições e benefícios do Sistema Mutualista

O quadro social da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), reunido em assembleias ordinária e extraordinária, ocorridas hoje, 19, no Teatro do Colégio Mauá, em Santa Cruz do Sul, decidiu elevar as contribuições e benefícios do sistema mutualista. Com isso, as taxas de inscrições que incidem sobre o sistema mutualista, no caso de danos em lavouras, vão variar entre 3,8% e 6,3%. No período anterior, os índices iam de 3,6% a 6%.

Válido para a safra 2014/15, o percentual de contribuição para inscrição das lavouras de tabaco para o auxílio sobre danos provocados pelo granizo foi estipulado em 6,3%. Para quem têm direito às bonificações de 10%, 20%, 30% e 40%, as taxas são de 5,7%, 5,0%, 4,4% e 3,8%, respectivamente. O bônus é concedido aos produtores que efetuam inscrição de forma ininterrupta e que não tem registro de prejuízos indenizáveis durante períodos pré-determinados.

Para o presidente da Afubra, a majoração leva em conta os danos registrados nas lavouras na safra 2013/14. “Os prejuízos, causados pelo granizo e/ou tufão, alcançaram altas cifras”, lembra Benício Albano Werner. Segundo ele, os associados receberam auxílios na ordem de R$ 107 milhões. Além disso, complementa, outros R$ 4,8 milhões foram repassados em forma de auxílio a estufas sinistradas e R$ 5,2 milhões foram pagos de auxílio-funeral. “Com isso, os benefícios, em espécie, totalizaram R$ 117 milhões somente neste último período”, revela. O dirigente frisa, ainda, que, no caso da atual gestão, que se iniciou em julho de 2011, os benefícios pagos pelo mutualismo da Afubra somam R$ 320,2 milhões.

Sobre o departamento de mutualidade e dos expressivos valores estendidos aos associados em forma de benefícios, o presidente levanta uma questão. “Nos 59 anos de existência da entidade, quantos associados já foram socorridos pelo sistema mutual?” E complementa: “O que sabemos é que são muitos”, diz Benício Werner.

No tocante à Unidade Referencial Mutual (URM), o valor foi elevado para R$ 9,96, que vai valer até a próxima assembleia. As contribuições que incidem sobre os auxílios para reconstrução de estufa e funeral, no entanto, permanecem as mesmas, ou seja, em 4 e 8 URMs, respectivamente. Para os auxílios, o benefício contempla 800 URMs para o funeral e de 480 a 1.100 URMs para auxílio reconstrução dos diversos tipos de estufas existentes. A contribuição associativa continua sendo de 3 URMs.

O benefício que garante descontos para quem antecipa o pagamento da inscrição também permanece igual ao período anterior. Quem antecipa o valor até o final de agosto, ganha 6% de abatimento. Para quem opta pela liquidação até setembro, o desconto é de 5%. Até 31 de outubro, prazo final para inscrições, a redução é de 4%.

Sistema Mutualista
Benefícios e Contribuições – Safra 2014/15

Auxílio Danos em Lavouras Granizo Granizo e/ou tufão
Normal 6.3% 15.1%
Bônus 10% (4 a 7 safras) 5.7% 13.6%
Bônus 20% (8 a 11 safras) 5.0% 12.1%
Bônus 30% (12 a 15 safras) 4.4% 10.6%
Bônus 40% (16 ou + safras) 3.8% 9.1%

Contribuição
Em URMs Benefício
Em URMs
Contribuição anual associativa 3 –
Contribuição anual para auxílio funeral 4 800
Contribuição anual para auxílio funeral esposa / filhos 4 800
Auxílio estufa geminada 8 480
Auxílio estufa A/B 8 640
Auxílio estufa G 8 850
Auxílio estufa ar forçado adaptada AFA 8 850
Auxílio estufa ar forçado gêmea 8 850
Auxílio estufa ar forçado 8 1.100

 
Mário André Poll – MTb/RS 11.199
Departamento de Comunicação Afubra


Programa da Afubra, dia 19 de julho de 2014

As fortes e intensas chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul nos últimos dias não causaram maiores transtornos à produção de tabaco. O gerente técnico Iraldo Backes comenta, na primeira parte do programa, que as mudas estão protegidas pelo sistema float, o que evita maiores prejuízos. Também fala de uma possível diminuição na área de plantio, ocasionada principalmente pela falta de mão de obra, fator que está elevando o custo do serviço.

Na sequência do programa, o coordenador pedagógico do Projeto Verde é Vida, professor José Leon Macedo Fernandes, comenta o sucesso das Koloniefest, as festas da colônia que destacam as potencialidades sociais, culturais e econômicas das comunidades interioranas.

Programa 19-07-2014 parte 1

Programa 19-07-2014 parte 2

 

Produção e edição:
Elpídio Jair Iser,
Departamento Comunicação Afubra


Assembleia anual da Afubra acontece neste sábado

A tradicional assembleia ordinária anual, promovida pela Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra|), ocorre neste sábado, dia 19, no Teatro do Colégio Mauá, em Santa Cruz do Sul. Dirigido especificamente aos associados, o encontro terá a primeira convocação expedida às 8:00 horas, e a segunda, caso necessária, às 8:30 horas.

A assembleia contempla apresentações do relatório de atividades do exercício 2013/2014 e do balanço patrimonial, fechado em 31 de dezembro do ano passado. A pauta discute também as deliberações e definições das regras do Sistema Mutualista para a nova safra de tabaco.

Diante dos acentuados prejuízos decorrentes da ação do granizo na safra passada, o presidente da Afubra, Benício Albano Werner, informa que a diretoria vai sugerir, pelo menos, a manutenção da taxa de contribuição deliberada na reunião do ano passado, fixada em 6%. “A decisão final, no entanto, é do quadro social”, diz. O dirigente frisa ainda que, para ter acesso à assembleia, o associado precisa estar em dia com a tesouraria da entidade.

Mário André Poll – MTb/RS 11.199
Departamento de Comunicação Afubra


Programa da Afubra, dia 12 de julho de 2014

Na parte inicial do programa, o presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco, Romeu Schneider, comenta a reunião do órgão, que acontece no dia 22, em Cruz das Almas, na Bahia. Como forma de promover o intercâmbio entre os diversos segmentos do setor fumageiro nacional, a Câmara, segundo diz o dirigente, busca promover encontros fora de Brasília, seu tradicional domicílio. Entre os diversos assuntos da pauta, a 6ª Conferência das Partes (COP 6), confirmada para o período de 13 a 18 de outubro, em Moscou, deverá centralizar os debates entre os membros do órgão federal.

Na sequência, o técnico agrícola da Afubra, Nataniel Sampaio, fala do crescimento do programa de recolhimento de óleo saturado e da implantação de uma grande composteira, no Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Afubra, programas que integram o plano de gerenciamento de resíduos sólidos da entidade.

Programa 12-07-2014 parte 1

Programa 12-07-2014 parte 2

 

Produção e edição:
Elpídio Jair Iser,
Departamento Comunicação Afubra