Programa da Afubra, dia 25 de julho de 2015

Na Assembleia Geral da Afubra, ocorrida no último sábado, 18 de julho, em Santa Cruz do Sul/RS, os associados aprovaram uma redução na taxa de contribuição para danos com granizo, variando de 3,6% para que conta quem conta com descontos e 6% para os demais. Igualmente foi ampliado em um mês o desconto para quem paga a contribuição ao Sistema Mutualista a vista. Na mesma Assembleia aconteceu a eleição da nova diretoria da entidade. O presidente da Afubra, Benício Albano Werner disse que a redução foi possível porque este ano os danos provados nas lavouras foram inferiores a das duas últimas safras e fala dos demais assuntos tratados.

Programa 25-07-2015 parte 1

Programa 25-07-2015 parte 2

 

Produção e edição:
Elpídio Jair Iser,
Departamento Comunicação Afubra


Airton Artus assume Câmara Setorial do Tabaco

Os membros da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco aprovaram, por unanimidade, durante a reunião do dia 21 de julho em Brasília, o nome do prefeito de Venâncio Aires, Airton Artus, como o novo presidente da entidade. O secretário da Afubra, Romeu Schneider, presidente da Câmara durante nove anos, continua como consultor. Segundo Schneider, “o novo presidente solicitou, pelos anos a frente da Câmara, que eu continuasse ativo e, como consultor, poderei auxiliá-lo diretamente e, quando necessários, inclusive falar em nome da entidade”.

O secretário da Afubra, Romeu Schneider, presidente da Câmara durante nove anos, continua como consultor (crédito: Arquivo/Afubra)

Ao avaliar os nove anos como presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco, Romeu Schneider lembra que foi um período produtivo de trabalho e objetivos alcançados. “Um período de muita exigência devido a decisões do Governo atendendo pressões de antitabagistas, e foi necessário fazer frente à estas pressões e evitar de que muitas restrições não fossem implementadas. Assuntos ligados à Convenção-Quadro, que forçaram a necessidade da participação no exterior nas Conferência das Partes, demandaram trabalho.”

Mas, Schneider faz uma avaliação positiva das conquistas, como a participação em audiências públicas, onde a participação do setor foi importante para evitar o pior. “A produção de tabaco, hoje, está num nível estável e a tendência para o futuro é reduzir, em virtude de dificuldades de mercado no Brasil e no mundo, mas, com certeza, se não fosse a atuação constante da Câmara Setorial junto com as entidades e instituições membros, estaríamos com uma situação, hoje, muito pior, principalmente em relação a produção de tabaco, o que afetaria aos pequenos produtores.”

Quanto aos desafios, Romeu Schneider lembra a árdua luta na questão do mercado ilegal, que destaca ser um dos principais pontos de trabalho do novo presidente. “Apesar de todo o trabalho e pressão realizados até o momento, ainda não tivemos êxito; o contrabando ainda está vitorioso. O grande desafio do presidente Amvarp e prefeito de Venâncio Aires, Airton Artus, é continuar na pressão para que o mercado ilegal seja combatido”. Ele ainda destaca que, mais um assunto que desafia é a questão dos ingredientes do cigarro, com relação RDC 14, que no momento está suspensa. “Artus é o nome ideal para presidente da Câmara, pelo seu conhecimento e luta ferrenha pelo setor tabaco. O setor precisa de pessoas que tenham posição definida e que saibam onde querem chegar”, avalia Romeu Schneider.

 

Luciana Jost Radtke
Departamento de Comunicação Afubra


TABACO – Câmara Setorial reúne-se em Brasília, na 47ª reunião ordinária

A Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco realiza amanhã, 21 de julho, a 47ª Reunião Ordinária, em Brasília. Na pauta, assuntos sobre a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco e o mercado ilegal de cigarros, além de outros temas prioritários, como por exemplo, as questões da Lei da Biodiversidade, a agenda estratégica da Câmara Setorial, encaminhamento de um documento para a ministra Kátia Abreu sobre a reunião dos setores agrícolas exportadores, na qual o setor tabaco não foi convidado, além do registro do documento encaminhado à Ministra, indicando, como sugestão, as entidades que devem participar da discussão dos artigos 17 e 18 da Convenção-Quadro junto à Conicq.

A Câmara Setorial foi criada em dezembro de 2003, na Universidade de Santa Cruz do Sul, em Santa Cruz do Sul/RS, com a presença do ministro da época Tarso Genro, o então governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto e o secretário da Agricultura do RS, Odacir Klein. Na época, o Ministro da Agricultura era Roberto Rodrigues, que fez a implantação de todas as Câmaras Setoriais no Ministério. Após a reunião de instalação, ocorrida na Unisc, foi nomeado como presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco, o então presidente da Afubra Hainsi Gralow, que ficou a frente por dois anos e três meses. Em abril de 2006, assumiu a presidência o secretário da Afubra, Romeu Schneider, sendo o presidente.

Segundo Romeu Schneider, durante a reunião de amanhã, como sempre, o setor, a cadeia produtiva do tabaco, tem assuntos importantes a tratar devido a dificuldade de mercado, tanto do produto in natura como na comercialização de cigarros. “Nesta questão, a preocupação maior é o mercado ilegal, que hoje é o produto mais contrabandeado do país. De todo o contrabando que acontece no Brasil, 67% é de cigarro. Isto representa um prejuízo para o Brasil como um todo, acima de R$ 6 bilhões. Apenas em impostos, o Governo deixa de arrecadar R$ 4,5 bilhões. O que estimula este mercado ilegal, em primeiro lugar, é a exagerada tributação sobre os cigarros, o que eleva o preço final do produto demasiadamente, sendo o preço máximo do cigarro ilegal comercializado no Brasil a menos de 50% do valor do cigarro legal comercializado. Outra questão que favorece esta atividade ilegal é o menor risco de condenação e as penas muito menores do que o tráfico de drogas e, o ganho, no contrabando do cigarro, é maior do que no próprio tráfico de drogas. Faremos ainda, uma análise dos assuntos estratégicos da Câmara Setorial e sobre o documento que será entregue para a ministra Kátia Abreu, solicitando esclarecimento sobre a reunião dos exportadores, à qual o setor tabaco não foi convidado”, explica Schneider.

Ainda na pauta, a eleição do novo presidente e consultor da Câmara Setorial. Segundo Schneider, todos os membros são aptos a serem eleitos para presidente da entidade para os próximos quatro anos.

Romeu Schneider, presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco

Luciana Jost Radtke
Departamento de Comunicação Afubra


Afubra – Assembleia aprova redução nas contribuições do Sistema Mutualista

Associados da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), estiveram reunidos hoje, 18 de julho, pela manhã, no Teatro do Colégio Mauá, em Santa Cruz do Sul/RS, em Assembleia Geral Ordinária. Os presentes aprovaram a redução da taxa de contribuição que incide sobre o sistema mutualista. Com isso, as taxas de inscrições no caso de danos em lavouras, vão variar de 3,6% a 6%.

O percentual de contribuição para inscrição das lavouras de tabaco para o auxílio sobre danos provocados pelo granizo foi estipulado em 6%, válido para a safra 2015/2016. Para quem têm direito às bonificações de 10%, 20%, 30% e 40%, as taxas são de 5,4%, 4,8%, 4,2% e 3,6%, respectivamente. O bônus é concedido aos produtores que efetuam inscrição de forma ininterrupta e que não tem registro de prejuízos indenizáveis durante períodos pré-determinados.

Para o presidente da Afubra, Benício Albano Werner, a redução no valor foi possível devido a recuperação parcial das reservas financeiras da entidade. “Viemos de algumas safras seguidas com grandes prejuízos causados pelo granizo e tufão. Mas, na última safra, conseguimos uma reposição razoável nos fundos de reserva. Entendemos que podemos oferecer essa redução na contribuição dos nossos associados, sem oferecer perigo econômico e financeiro à entidade”, explica o presidente.

Werner ainda revela que, na safra 2014/2015, os associados receberam auxílios na ordem de R$ 80 milhões, por danos em lavouras. Além disso, foram pagos R$ 5,5 milhões para estufas sinistradas e R$ 5,8 milhões de auxílio-funeral. “Somando estes valores, em benefícios, nossos associados receberam cerca de R$ 91 milhões na safra que agora se encerra. Na atual gestão – julho de 2011 a julho de 2015 – os benefícios pagos pelo sistema mutualista alcançam a soma de R$ 411,2 milhões”, destaca.

No tocante à Unidade Referencial Mutual (URM), o valor aprovado foi de R$ 10,77, que vai valer até a próxima assembleia. As contribuições que incidem sobre os auxílios para reconstrução de estufa e funeral, no entanto, permanecem as mesmas, ou seja, em 4 e 8 URMs, respectivamente. Para os auxílios, o benefício contempla 800 URMs para o funeral e de 480 a 1.100 URMs para auxílio reconstrução dos diversos tipos de estufas existentes. A contribuição associativa continua sendo de 3 URMs.

Já o benefício que garante descontos para quem antecipa o pagamento da inscrição também teve alterações, com a inclusão de uma nova data e desconto. Quem antecipa o valor até o final de julho, recebe 10% de desconto; até o final de agosto, ganha 8% de abatimento; quem opta pela liquidação até final de setembro, o desconto é de 6% e até 31 de outubro, prazo final para inscrições, a redução é de 4%.

 

Luciana Jost Radtke
Departamento de Comunicação Afubra


Benício Werner é reeleito para mais quatro anos na presidência da Afubra

Os associados da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra) reconduziram o atual presidente Benício Albano Werner para um novo mandato à frente da entidade. A eleição ocorreu neste sábado, dia 18, durante a assembleia ordinária anual, ocorrida no teatro do Colégio Mauá, em Santa Cruz do Sul/RS. Romeu Schneider, como secretário, e Marcílio Laurindo Drescher, como tesoureiro, completam o quadro titular da diretoria. Marco Antonio Dornelles assume como vice-presidente, e dois novos nomes – Geraldo Back como segundo secretário e Ornélio Sausen como segundo tesooureiro – integram a equipe de suplentes. A posse ocorreu logo após o pleito, que definiu também os suplentes e os membros dos conselhos deliberativo e fiscal para o quadriênio 2015/2019 (ver quadro).

Ao agradecer a confiança dos associados, Werner disse que sua candidatura para mais um mandato foi motivada pelo apoio vindo de colegas da diretoria, conselhos, quadro social e colaboradores, bem como dee instituições ligadas à Afubra que, segundo ele, muito o auxiliaram para um bom desenvolvimento das atribuições durante o primeiro mandato. “A luta de meu pai, Harry Werner, que sempre acreditou na Afubra, foi outro motivo que me levou à aceitar mais quatro anos à frente da entidade”, disse o presidente. Como metas de trabalho, Werner cita o desenvolvimento de novas atividades da Afubra, partindo de matéria prima, porém do incentivo da diversificação de culturas dos produtores.

Diretoria e Conselhos Deliberativo e Fiscal da Afubra – 2015/2019:

DIRETORIA
Presidente: Benício Albano Werner
Vice-Presidente: Marco Antonio Dornelles
Secretário: Romeu Schneider
2º Secretário: Geraldo Back
Tesoureiro: Marcílio Laurindo Drescher
2º Tesoureiro: Ornélio Sausen
CONSELHO DELIBERATIVO
Evaldo Possamai
Mário Ilo Grützmacher
Mauro Flores
Ozi Gouvea de Andrade
Patrick Francis Fairon
Thadeu Wensing
Valdir Storer
SUPLENTES DO CONSELHO DELIBERATIVO
Enivalda Pereira Furbringer
Hilário Kuneski
José Sirlei Dias de Araújo
CONSELHO FISCAL
Arselio Renz
Heitor Álvaro Petry
Idacir José da Rosa
SUPLENTES DO CONSELHO FISCAL
Gilmar Damaso da Silveira
João Francisco Bortoli
Severino Simon

 

Luciana Jost Radtke
Departamento de Comunicação Afubra